Nilton Moreira representa a nova geração de flautistas emergentes no cenário  musical brasileiro. Sua carreira é destacada pela interação entre música popular e clássica, atuando na cena popular brasileira e também tocando em Orquestras e grupos Sinfônicas.

 

Nilton é Mestre e Doutor em Música, tendo estudado nas universidades UFMG e UNIRIO. Também estudou e lecionou na McGill University (Montreal - Canadá), durante seu Pós-doutorado em 2016.

 

Atualmente, Nilton é professor de Flauta da Universidade Federal de Juiz de Fora. Foi também professor de flauta da Universidade Federal de Pernambuco entre 2011 e 2013.

 

   Música Clássica

  • Orquestra Sinfônica do Espírito Santo

  • Orquestra Sinfônica Nacional

  • Orquestra Sinfônica da UFMG

  • Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem

 

  Premiações

  • Vencedor do concurso UFMG Jovens Solistas, solando o Concerto para Flauta e Orquestra em Ré maior de Mozart com a Orquestra da UFMG

  • Vencedor do concurso "Orquestra para Todos" (Orquestra Sinfônica Brasileira)

  • Vencedor do concurso Jovem Músico  BDMG

  • Vencedor Do prêmio "Jovem Instrumentista BDMG"

  • Finalista da competição Weril - instrumentos de sopro

  • Finalista do concurso Henrique Niremberg de Música de Câmara

Música Popular

No campo da música popular brasileira, Nilton integrou e gravou um CD com o Sexteto Patápio Silva, contendo várias composições de Patápio Silva e outros compositores populares brasileiros. Nilton também atuou como arranjador e produtor neste CD.

 

Nilton trabalha constantemente com a música popular como intérprete, compositor, arranjador e em gravações. Tocou importantes concertos como na Latin American Music Center Convention, na Indiana University. É também membro fundador do Club do Choro de Montreal (Canadá).

Pesquisa em Música

 

Nilton se apresentou em congressos de pesquisa em música (ABRAF, ANPPOM, ABRAPEM, UFOP). Publicou o trabalho "Traços de jazz nos gêneros do choro e baião brasileiros: três estudos de caso" (2007 CHARM Conference, Royal Holloway University, Inglaterra) e o artigo "Ragtime traços no choro brasileiro Segura ele! [Prenda-o!] Por Pixinguinha: composição e hibridação do desempenho após a viagem a Paris em 1922 ", (Conferência 2012 de LAMC, universidade de Indiana, EUA)